Jiu Jitsu

Porque começar a treinar Jiu Jitsu

Jiu Jitsu, me trouxe saúde, confiança, determinação e paixão. Conheça a história do Anderson, 37 anos, atleta master de Jiu-Jitsu.

Meu nome é Anderson Ricardo Soares, tenho 37 anos e sou atleta master de Jiu-Jitsu, e para falar sobre minha trajetória, é preciso voltar um pouco no tempo...

Sempre gostei de esportes, meu sonho era ser esportista. Fui jogador infantil de basquete, joguei futebol, tênis de mesa e treinei outros esportes coletivos como hobby.
Porém precisei começar a trabalhar muito cedo e por consequência acabei deixando o esporte de lado, continuei por algum tempo jogando futebol de salão aos fins de semana. Sempre fui muito competitivo e confiante, me achava o máximo, mas o tempo foi passando e o sonho de ser atleta se diluiu em minhas mãos...
A confiança já não era a mesma, passei a conviver com as dúvidas na minha vida pessoal, não consegui no esporte, será que vou conseguir na vida?! Até na pelada eu não tinha confiança, começava mal um jogo e já era, não acertava nada, as vezes ficava vários jogos remoendo o erro, com medo de errar novamente, e era o que acontecia... bem, abandonei as peladas também. Fiquei muito tempo sem praticar atividade física, era um magrelo, virei um balofo depois de alguns anos.

O problema da confiança afetou minha vida pessoal, tive transtornos de ansiedade e síndrome do pânico, passei a conviver com o transtorno de ansiedade, comecei a tomar ansiolíticos e antidepressivos com 20 anos de idade. Pensei em desistir de tudo muitas vezes, mas nunca em tirar minha vida, eu amava a vida e o que mais me incomodava é que eu não a tinha mais, virei passageiro em alguns momentos...

O que ia fazer então?
Não conseguia controlar a ansiedade sem remédios, tinha que terminar a faculdade, precisava trabalhar... Então respirei fundo e coloquei na cabeça que aquilo não ia me parar, eu iria terminar a faculdade e teria uma carreira de sucesso (onde pudesse sustentar minha família), continuei tomando remédios pois eles me mantinham mais tranquilos, voltei ao meu emprego e decidi que seria o melhor no que eu fazia, tive 5 promoções em 5 anos mesmo lidando com meus problemas. Era dedicado ao extremo, surgiu oportunidade em outra empresa, não tive medo e comecei novamente, sempre com o pensamento de ser o melhor no que eu fazia, também venho me dando bem, tenho uma vida profissional muito boa. Em contrapartida, a decorrência de não praticar exercícios físicos, me fez engordar, tenho 1,82 e cheguei a pesar dos 107 kilos e exatamente aqui o Jiu-Jitsu apareceu na minha vida.

Precisava emagrecer, colesterol alto, refluxo gástrico, enxaqueca e as crises de ansiedade que não me largava, costumava dizer que ia na farmácia fazer a compra do mês. Mas isso precisava mudar, me olhava no espelho e não me via, via tudo, menos eu.

Como comecei a praticar Jiu Jitsu
Um amigo sugeriu o Jiu-Jitsu. Eu, era meio relutante, tinha um pouco de preconceito com a arte, mas aceitei fazer um mês de experiência. De cara me apaixonei, apesar de não conseguir fazer uma simples cambalhota. Em casa, no começo não tive apoio, a primeira coisa que ouvi sobre o Jiu-Jitsu é que ele não era para mim, para que comprar um kimono, se logo eu iria desistir. Peguei isso de combustível e neste momento eu sabia que não iria desistir, tive muita dificuldade e ainda tenho, mas cada treino me deixava mais empolgado, passei a me sentir como um adolescente, meu olho brilha só de pensar no treino.

Como comecei a participar de campeonatos de Jiu Jitsu
Então com 4 meses de Jiu-Jitsu, resolvi testar minha ansiedade em um campeonato, 1ª Etapa Circuito Paulista 2018, o adversário que eu queria vencer era a ansiedade, entrei tão tenso na luta, que quase não teve luta, mais a minha luta, a que fui lutar, eu venci.
Toda aquela tensão que normalmente me traria uma crise de ansiedade, eu consegui controlar.
Ainda utilizava ansiolítico, mas em situações de tensão sempre passava mal. Além de vencer a ansiedade, naquele dia também senti sensações indescritíveis ao pisar no tatame, o momento de espera, quando chamaram meu nome para luta, tive a certeza que era aquilo que eu queria.
No mesmo ano lutei o Campeonato Brasileiro, comecei a sentir o gosto de ser atleta e o sonho adormecido começou a se iluminar. Será que ainda dá?
Essa é a pergunta que ainda me faço, não viver da competição, mas viver o ambiente de atleta, eu vejo meu sonho se concretizando pouco a pouco.

Meu objetivo inicial no Jiu-Jitsu era emagrecer e melhorar a minha saúde. Como eu disse, sou muito dedicado e levei isso para o Jiu-Jitsu também.
E com 6 meses de treino já estava pesando 85 kilos.
Com 10 meses de treino conquistei uma das maiores vitórias da minha vida, deixei para trás a medicação para ansiedade, já não tinha crises de enxaqueca, níveis normais de colesterol, saúde reestabelecida e objetivos alcançados.

E agora? Como chegar a faixa preta de Jiu Jisu?
Surge então a vontade de ser campeão e chegar a faixa preta, passo a passo sem pular nenhuma etapa, degustando todos os momentos.
Passei a treinar com foco nas competições e no alto conhecimento, pois o Jiu-Jitsu é muito mais que uma luta.
Hoje tenho 2 anos e 3 meses de treino, sou faixa azul e peso 84 kilos luto de meio-pesado e já cheguei a baixar o peso para 80 kilos e lutar de médio.

Como faixa branca, lutei 4 campeonatos e este ano que é o meu 1º ano de faixa azul, lutei 9 campeonatos, consegui 2 pódios:
3º lugar no Sul Brasileiro (CBJJ)
3º lugar na 3ª Etapa do Circuito Paulista (FPJJ).

Muito aquém de onde do eu gostaria, mas sou um cara persistente, e aprendo muito em cada preparação de campeonato, vou em busca de resultados melhores.

Em cada campeonato eu sinto emoções diferentes, mas em todos eu sinto a adrenalina correr pelas minhas veias, e isso me faz sentir cada vez mais vivo.

Em resumo o Jiu Jitsu, me trouxe saúde, confiança, determinação e paixão.


Anderson Ricardo Soares
@kadobjj






Receba por e-mail as novidades e promoções da Academia Be Fit em primeira mão.